E aí eu parei pra procurar um texto que falasse de um amor que fosse quase como o nosso. Só porque eu precisava te dizer aquilo que eu sentia. E em alguns minutos de busca resolvi que nada ditaria exatamente o meu sentimento. Talvez nem minhas próprias palavras. Mas por vontade de mostrar um pouco do que sinto, resolvi escrever assim mesmo, sem buscar nada muito inspirador, só sincero.

Eu te escolhi, sabe? Mas isso não teria feito a menor diferença se por ti eu não tivesse também sido escolhida. Um relacionamento não se faz sozinho. E eu me lembro muito bem de quando tudo isso começou. E me lembro ainda mais do porquê isso começou. Foi em parte racional, mas não poderia ter sido só isso. Foi coisa de pele. Sintonia extremamente absurda de projetos, sonhos, desejos. De histórias passadas que se aproximavam e a certeza de que os dois já haviam vivido um pouco pra dizer que existia ali algum tipo de experiência com o amor. Me lembro das pausas longas que eu fazia na minha cabeça pra tentar entender o que era aquilo que você me causava. E então decidi aceitar que era você que eu queria pra completar esse meu “respirar” de todo dia. Esse cara com fé no mundo, vontade de viver. Eu sabia que de alguma forma você era o homem que eu queria pra vida. Não me pergunte como. Eu só sentia. Parecia que o vento me soprava os momentos de companheirismo nas orelhas. Que ele me contava que eu teria um amor que vai além de pequenos momentos agradáveis. Que seria um amor que suportaria as minhas piores fases. Que me daria a mão, o braço e o que fosse preciso pra me fazer feliz de alguma maneira. Um amor que saberia enxergar os erros e pedir perdão. Que não tiraria os olhos do nosso futuro incerto. O vento me soprou tudo isso e me intrigou a querer saber do resto. E eu não sabia mais pensar em outra coisa senão o porquê de uma pessoa como você ainda não ter encontrado um alguém que te desse tanto carinho ou talvez o porquê de nenhum daqueles amores ter dado certo. E ai eu percebi que era eu a escolhida. Não só por ti, mas pela vida pra te fazer feliz no que eu pudesse. E confesso que eu piso na bola muitas vezes. Que eu sou chata o suficiente pra conseguir te estressar em momentos que ninguém jamais veria você bravo. Mas
confesso também que não existe amor maior que esse. Um amor louco, de idas e vindas, que briga, que chora, que sente ciúmes. Que grita, que cansa, que se desespera. Que corre, que cobra, que entope, que explode. E que ao mesmo tempo faz de tudo pra ser o melhor de todos. Faz o que puder pra te fazer bem. Amor que se arrepende, corre pros seus braços pra encontrar abrigo e não nega estar com os próprios braços abertos pra te receber em troca.
É um amor que sabe ser bom, mas também erra tentando acertar. Como qualquer amor sincero. E tenta, insiste, desfaz, refaz o que for preciso. Esse é um pouco do nosso amor. Do meu. E que seja assim pra sempre, se nos for permitido. Porque te amar é simplesmente maravilhoso e te ter é melhor ainda. Obrigada ❤️
-gm

Advertisements

One thought on “

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s